segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Socorro, que dia caótico!

Realmente, hoje é dia das bruxas!
Que caos! Eu tenho o pressentimento de que estou passando por alguma espécie de teste de resistência e que a cada etapa que eu supero o negócio fica mais difícil e mais exaustivo!
Hoje de manhã indo para o trabalho escutei um barulho estranho no meu carro. Como meu trajeto inclui, quase que todo o percurso, via expressa, não consegui parar para ver o que poderia ser. Dali a pouco os outros motoristas sinalizaram para mim: pneu furado! Até sair das pistas expressas para uma onde eu pudesse parar foram minutos de muita tensão. Ao finalmente parar o carro um rapaz veio em minha direção e ficou rondando o meu carro. Fiquei com medo, mas logo ele explicou que só queria dizer que o pneu estava furado. Tentei ligar para a seguradora e enquanto levava o chá de cadeira da ligação eu não sabia se chorava ou saia correndo. Não tive muito tempo para pensar, o mesmo rapaz que ficou rondando o meu carro apareceu com mais outros rapazes e gentilmente se ofereceram para colocar o step para mim. Receei um pouco, essa cidade é cheia de golpes malucos. Por outro lado essa cidade é cheia de pessoas solidárias e de bom coração, eles realmente só trocaram o pneu para mim, simples assim, serei eternamente grata pela ajuda! Enquanto eles terminavam de arrumar as ferramentas e guardar o pneu furado eu olhei para eles e falei "Vocês me salvaram, faz 2 meses que parei de fumar e não queria passar por tanto stress... muito obrigada" e comecei a chorar. Eita!
Fui levar o carro na loja para arrumar o pneu e adivinhem? Perdi o pneu! O trajeto que andei com ele furado criou bolhas na lateral e não tem como consertar. Pneus novos? Só vão chegar no final do dia. Detalhe: eu trabalho em uma empresa de pneus. Bom, por esse lado, dos males o menor. Moral da história: cheguei no escritório meio dia, estou sem carro, sem almoçar e sem paciência. E estamos apenas na segunda-feira!
Acho que o que me mantém forte no propósito de não fumar é saber que o cigarro não vai resolver o meu problema. Se bobear vai piorar mais ainda, porque vou me sentir frustrada. O jeito é segurar as pontas e seguir em frente, custe o que custar. Sem esquecer que amanhã tenho que me pesar para colocar o resultado aqui. É, pensando bem, tudo ainda pode piorar... sempre pode piorar!
Vamos que vamos... força Carol mesmo... pensando bem, hoje é melhor sem força, se não eu quebro alguma coisa. Paciência Carol, esse mantra é melhor para esse dia de caos.

sábado, 29 de outubro de 2016

2 meses! É festa!!!!

Dois meses sem fumar. Repetindo: dois meses sem fumar. Mais uma vez: dois meses sem fumar!
É festa!! 



Nem acredito! É muita alegria!!! Fica até difícil me concentrar e escrever algo minimamente decente!
Já dois meses, mas ainda só dois meses. Tanta coisa aconteceu, passou tão rápido! Foram tantos sentimentos, inúmeras descobertas, aprendizados e desafios. Aqui estou, firme, forte e, mais importante de tudo: muito feliz!
Para mim até agora a sensação geral foi de renascimento. Redescobrir a vida já com vida dentro de mim, reaprender a fazer uma série de atividades e repensar constantemente o que eu quero para mim e para minha família.
O segundo mês foi completamente diferente do primeiro! Para chegar aos 30 dias iniciais foi um caminho mais complicado, delicado, cheio de lágrimas e que exigiu uma força de vontade absurda da minha parte. Esse segundo mês foi mais questão de administrar o meu psicológico, tarefa que tem sido cada vez menos difícil, e também readequar algumas rotinas minhas agora livre do tabaco.
Como eu sempre digo, eu sei que o monstro da fumaça vai morar para sempre dentro de mim, mas de certa forma eu consegui fazer ele adormecer. O sono dele ainda é leve, eu sei, mas continuarei trabalhando com todas as minhas forças para ele dormir profundamente e eu conseguir me sentir mais a vontade.
São inúmeras as coisas que eu tenho para dizer, mas estou tão emocionada que não consigo colocar em palavras. Logo eu que imaginava que sem fumar minha vida nunca mais teria graça me vejo assim, transbordando alegria!
Deixo aqui com vocês a Nina Simone, trilha sonora do dia de hoje! Faço das palavras dela as minhas!
Feliz 2 meses para mim!
Vamos que vamos!
"It's a new dawn, it's a new day, it's a new life for me. And I'm feeling good!"

Obs: coloquei o vídeo com legenda, não sei se todos entendem inglês para entender a letra. Foco na letra! =)




sexta-feira, 28 de outubro de 2016

"Divulgar ou não divulgar é uma questão bastante pessoal, para mim funcionou melhor assim"

Bem no comecinho desse blog eu tinha planejado um post sobre divulgar que parei de fumar ou não, eis a questão! Depois mudei de ideia, fiquei com receio de parecer que isso tudo era um segredo de estado ou um grande tabu na minha vida, então tirei o assunto da pauta. Ontem conversando com outros ex-fumantes essa questão da divulgação veio a tona e percebi que esse assunto é mais comum do que eu imaginava. Divulgar ou não para todo mundo que eu parei de fumar? Vamos refletir sobre isso?
Quando decidi que era hora de parar com o cigarro eu fiz o anúncio oficial para duas pessoas: para mim e para o meu marido. Sabíamos a data, os métodos que eu tinha a disposição e todos os detalhes desse projeto. Minha médica sabia da minha intenção, mas não cheguei a passar mais detalhes a respeito. Faltando dois dias para eu parar eu contei para minha amiga-irmã e na véspera veio a ideia do blog. Três pessoas e um blog sem divulgação, era essa a minha torcida na luta contra o tabagismo.
Aos poucos fui comentando com alguns amigos, fui divulgando o blog, mas tudo de maneira bem calma, sem alardes. Estou prestes a comemorar dois meses livre do cigarro e ainda assim muita gente não sabe dessa informação, por incrível que pareça.
Tudo isso foi por uma somatória de motivos. De início eu tinha medo de falhar, receava que ter uma torcida poderia me atrapalhar tanto pela cobrança quanto pela desconfiança (ou seria pensamento negativo a melhor palavra?).  Outro problema, talvez o maior, é que eu já estava em uma época que eu tinha vergonha de ser tabagista, evitava que soubessem, evitava fumar na frente de muitas pessoas, detestava aquela minha situação. No fundo no fundo eu esperava que as pessoas esquecessem que eu era fumante. Loucura, né? Outra explicação é que quando eu comecei a fumar não saí pelas ruas fazendo um carnaval contando para todo mundo sobre a novidade, então quando decidi parar resolvi que seria assim também. No final das contas eu estava em um turbilhão de sentimentos e resolvi agir da maneira que me sentia mais confortável, calhou de ser essa!
Talvez eu tenha deixado de receber abraços calorosos quando completei o primeiro mês sem fumar, talvez eu teria recebido mais palavras de incentivo... mas também deixei de ouvir o  "Finalmente, né?", ou o "Já era hora" e o temido "Não sei porquê comemora, não devia nem ter começado" (admito que ouvi algo parecido há alguns dias e fiquei p da vida).
Divulgar ou não divulgar é uma questão bastante pessoal, para mim funcionou melhor assim. Além disso aqui no blog, no chat do Quit Now e os meus amigos que sabem tem me ajudado tanto, mas tanto mesmo, sou muito grata por isso!
Para os que descobriram depois eu peço desculpas se isso causou chateação. Acreditem, não foi nada pessoal, foi insegurança mesmo. Agora estou mais forte e pronta para um abraço - daqueles sem cheiro de cigarro!
Vamos que vamos que por falar em abraço amanhã quero vários da comemoração de 02 meses!
Até amanhã pessoal!!

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Hare baba - a dica da Índia!



Uma vez, eu estava viajando pela Índia e em uma das noites a minha guia resolveu fazer um bate-papo sobre meditação para quem quisesse saber mais a respeito. Lá fui eu. Entre as várias coisas que ela falou uma me chamou muito a atenção: a respiração. Lembro dela explicar que um dos pontos mais importantes para manter o corpo em calma e equilíbrio era focar no modo como respiramos, que isso pode fazer toda a diferença. Ela deu alguns exemplos de situações de nervosismo, ansiedade e outras eventualidades do dia-a-dia que podemos lidar muito bem se respirarmos da maneira certa. Por fim, ensinou algumas técnicas de respiração para relaxamento e meditação - eu admito que só não consegui meditar porque nessas alturas do bate-papo eu já estava mais preocupada em que horas eu ia poder fumar um cigarro do que focar no que estava acontecendo mesmo.
Setembro de 2016, lá estava eu nos meus primeiros dias sem o cigarro, passando por eventuais situações de panico e ansiedade. O que me veio em mente? A tal da respiração do bate-papo místico lá na Índia! Eu já não lembrava mais de todas as técnicas que ela ensinou, mas uma me veio à cabeça: inspirar tampando uma das narinas e soltar o ar pela outra. Assim vai, depois inverte: inspira tampando uma e solta tampando a outra. Não é que acalmou mesmo? Bela hora que fui lembrar disso! Testem para ver, é uma maravilha!
Mais ou menos na mesma época a minha amiga me deu a dica de utilizar na atividade física a mesma puxada de ar que  fazemos quando fumamos. O modo de puxar o ar, sabe? Não sei palavrear a explicação genial que ela me passou, mas lá fui eu testar na academia. Funciona! (Dicas da Jajá sempre muito úteis)!
Desde então tenho prestado muito mais atenção na maneira como respiro e procuro controlar as minhas emoções através disso. Eu particularmente não me sinto tão a vontade para fazer a técnica da narina em lugares altamente públicos, mas dá para controlar o modo como respiramos de várias outras maneiras e isso é um santo remédio.
Vamos que vamos, força Carol - respira fundo e vai lá!


quarta-feira, 26 de outubro de 2016

"Se eu puder dizer que sinto alguma coisa a respeito é curiosidade!"


Outro dia fui resolver algumas coisas pelo meu bairro e para facilitar fiz todo o trajeto a pé - aqui em São Paulo as vezes é muito mais rápido sem o carro, por incrível que pareça. Poucos minutos depois de sair de casa e alguns quarteirões mais pra frente comecei a notar que ao longo do meu percurso sempre havia um tabagista na minha frente. Fiquei observando isso e quando retornei para casa confirmei que o trajeto inteiro havia sempre alguém com o cigarro na minha frente.
Enquanto de um lado poderia ser encarado como um teste de resistência, por outro eu não senti a menor vontade de fumar, pelo contrário, fiquei o caminho todo desviando da fumaça e acima de tudo do cheiro dela. Se era um teste eu passei com nota 10 com louvor e mais ainda: que teste besta!
Já me perguntaram se ver uma pessoa fumando me dá vontade de fumar, assim como eu já percebi que muitos fumantes que sabem que eu parei se afastam de mim quando vão acender o fedidão. Hoje, passados mais de 50 dias sem fumar eu consigo afirmar: não dá vontade nenhuma, é bem tranquilo, fiquem calmos! Aliás, dá um nojinho do cheiro, coisa que tento disfarçar para não acharem que entrei para o esquadrão anti-fumo.
Se eu puder dizer que sinto alguma coisa a respeito é curiosidade! Eu fico imaginando como eu reagiria hoje se pudesse fumar um único cigarro. Será que eu iria gostar? Tossir? Sentir nojo? De qualquer forma eu imagino que essa curiosidade ainda seja efeito do vício: o maldito sabendo que estou feliz sem ele me faz deixar curiosa para eu ir lá e me viciar de novo. Negativo cara-pálida! Eu sei que um único trago vai me fazer descer ladeira abaixo então se o problema é a curiosidade ficarei com essa dúvida para sempre!
Eu nunca, nunca na vida imaginei que em tão pouco tempo a minha resistência de ex-fumante estaria tão forte. Como eu sempre reforço, isso não significa que eu não tenha que me policiar frequentemente, sei que dentro de mim mora um antigo vício e que está adormecido. Por outro lado eu despertei em mim um morador muito mais importante: o amor próprio e é para ele que eu vou dedicar os meus momentos daqui pra frente!
Vamos que vamos! Força Carol! Rumo ao 2º mês - está chegandooo!

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Parar de fumar acalma? Eita!

Eu acreditei por muito tempo que fumar acalmava as pessoas, e que inclusive me deixava mais tranquila! Muitos cigarros foram acesos em busca de relaxamento e alívio do stress. Desde que me tornei ex-fumante percebi algo que eu nunca havia imaginado: tudo isso é mentira, o processo é ao contrário!
O cigarro alivia o stress? Sim. Ele acalma? Sim. Relaxa? Sim. Agora acima de tudo e que eu só percebi depois que parei: ele causa todos esses sintomas e aí o fumante precisa fumar par aliviar! Por mais estranho que possa parecer!
Um dos maiores medos que eu tinha quando pensava em parar de fumar era de ficar nervosa para sempre ou de desenvolver uma ansiedade extrema sem o cigarro. Desde que parei percebi que fiquei muito mais calma e tranquila, inclusive em momentos mais tensos. Achei estranho, pois pela minha lógica deveria ser justamente o contrário.
Eis que comecei a pensar mais sobre o assunto. Questionei outros ex-fumantes, para ter certeza que não era só eu que me sentia mais calma, e então cheguei a essa conclusão de que é o cigarro que nos estressa, nos irrita e nos dá ansiedade.
Olha só como funciona: Fumar relaxa e acalma. Ok. Dali a pouco você começa a ficar irritado, pela abstinência, e então precisa de outro cigarro. A nicotina e toda a química começa a sair do corpo, então você fica nervoso de novo e fuma e nesse ciclo vai. Na minha fase final chegou a ser pior: eu ficava nervosa e fumava, aí ficava brava comigo por ter fumado, mas já o tinha feito, dali a pouco o corpo pedia outro cigarro, eu não queria, mas precisava para ficar menos irritada, fumava, ficava frustrada... que loucura!
Hoje eu me sinto mais calma, muito mais tranquila e relaxada. Eu tenho certeza absoluta que é uma consequência de estar livre do cigarro. Vou pesquisar a respeito, deve ter algum estudo que comprove isso, pois certamente não sou a primeira e nem serei a última a ter essa sensação e a tirar esse tipo de conclusão.
Mais uma conquista e mais uma descoberta! Até agora só benefícios nesse processo todo!
Abraços zen para todos vocês!

Eu após abandonar o tabagismo

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

A descoberta do chá!


Recentemente descobri que beber chá me ajuda bastante nesse processo de parar de fumar!
Tenho ingerido bastante líquido desde o primeiro dia sem o cigarro e foi uma da principais recomendações que vi por aí. Acontece que ficar bebendo água o tempo todo estava me cansando. Daí eu parti para o café, mas comecei a revezar entre água e café e no final dos dias eu estava elétrica. Ainda que eu AME café, não dava para ficar bebendo o tempo todo não. (Uma notinha de rodapé aqui: dizem que o café é um chamariz para o cigarro. Que os dois juntos era delicioso era mesmo, mas eu tolero super bem ficar só com o café.)
Eis que um belo dia eu descobri os prazeres do chá! Eu já gostava de chá, mas tinha o hábito de consumi-lo a noite antes de dormir. Agora incluí ele na minha rotina diurna também e tem me feito muito bem! Chás de camomila, hortelã, capim santo, chá preto, de saquinho, da própria planta, uau, é um universo a parte!  Desde o teste da balança incluí as versões de chá verde, branco e de hibisco. Só não vale apelar e partir para o lírio e Santo Daime. UEPA!
Deu vontade de fumar? Chá de camomila para acalmar. A vontade continua? Bora tomar mais um golinho! Está preocupada que fumar engorda? Chá verde. Está sem preocupação e sem vontades? Um chazinho cai bem mesmo assim. Aos poucos vou me aventurando em um universo muito gostoso e bem mais saudável que ingerir fumaça, alcatrão, nicotina e todas as outras substâncias.
Olha, estou ficando muito zen, é até assustador! Parar de fumar já me acalmou demais da conta, agora eu invento de tomar chá o dia inteiro... qualquer hora vocês vão me encontrar meditando no meio da Av. Paulista e não vale dar risada!
Como eu sempre digo: mais uma descoberta e mais um aprendizado nesse meu renascimento!
Vamos que vamos, até a próxima!

domingo, 23 de outubro de 2016

Domingo é dia de... corrida - Parte 2


Domingo é dia de... CORRIDA - Parte 2 (porque a parte 1 está aqui)!
Lá fui eu fazer a minha segunda prova desde que parei de fumar (link acima). A primeira foi bem no comecinho do processo eu precisava dela para me incentivar. A de hoje foi 55 dias depois de ter parado com o cigarro e ela veio com um objetivo: diminuir o meu tempo!
Eu sei que não posso exigir muito de mim, afinal de contas eu não quero recuperar anos e anos de fumaça em pouco mais de 1 mês, mas todo mundo tem uma meta quando faz uma prova e a minha de hoje era baixar o tempo. Ponto final.
Continuo achando a diferença brutal entre correr como fumante e como ex-fumante. Nossa! É até difícil explicar, mas se eu pudesse fazer um comparativo seria: imaginem aqueles plásticos de cozinha de pvc para guardar alimentos, sabe? O que parecia é que tinha um desses embrulhando meu coração e meu pulmão quando eu corria. Eu sentia que os dois poderiam expandir mais, tinham mais potencial, mas era como se o plástico estivesse segurando eles. Impressionante como eu conseguia correr daquele jeito e que perigo!
Desde que parei com o cigarro tem sido cada vez mais prazeroso praticar esse e todo exercício físico! O aplicativo dos ex-fumantes diz que eu só tenho 61% da minha condição física melhorada e que ainda levarei 35 dias para tê-la 100% recuperada. Fico feliz em saber que o melhor ainda está por vir, vamos acompanhar.
Agora a pergunta que não cala: como foi a corrida hoje?
Corri super bem, bastante disposta e pela primeira vez senti que os meus limites foram impostos mais pela falta de perna do que falta de fôlego. De maneira geral me senti bem, não tenho mais o plástico de PVC me apertando, muito melhor correr assim.
Sobre o tempo? Atingi o meu objetivo? SIM! Diminui 6 minutos do tempo normal! Fiz os 10k em menos de 60 minutos, como era meu objetivo. Para maior alegria, bem mais abaixo do que eu imaginava: 10km em 56min40seg. VIVA!!!!!!
Vamos que vamos, hoje mais feliz do que nunca!
Feliz 55 dias e feliz 56 minutos para mim!



sábado, 22 de outubro de 2016

Sabadão!

Mais um sábado... o temível!
Com o passar do tempo esse dia da semana está se tornando apenas mais um dia na semana. Simples assim, ufa! De qualquer forma é um dia em que meu autocontrole tem que estar mais apurado e minha cabeça mais ocupada. Sei que não posso reclamar, os primeiros sábados me faziam chorar, então o pior já passou!
Também fico pensando em como teria sido difícil se eu estivesse na época de sair aos sábados. Barzinhos, baladas, festas... seja o que fosse, seria muito mais difícil. Admiro quem consegue parar assim! Aliás, sorte também que a lei antifumo existe nos dias de hoje. Na época dos bares cheios de fumaça parar de fumar deveria ser um desafio e tanto. Hoje é só evitar o fumódromo, ou a calçada!
Hoje não tem bar nem festa, com dois cachorros em casa, sendo um filhote, o agito vai ser aqui mesmo. Bom sábado a todos!
Vamos que vamos, força Carol!


sexta-feira, 21 de outubro de 2016

O curioso caso da luva de látex!

Mais um dia, mais uma descoberta e ontem foi dia de refletir a respeito da nicotina. Foram imagens chocantes, escuta essa!
Lá estava eu na manicure/pedicure enquanto aqui em São Paulo os termômetros marcavam 34 graus! Estávamos lá naquele calorão, quando ela comentou comigo que eu ainda estava no lucro, pois não estava usando luvas de látex. Na sequência eu escuto um "Além da mão suar horrores aqui nessa luva, olha que engraçado. Dá até para ver que mão eu usei para fumar!".
Epa!
Ela virou as palmas das  mãos para mim e, realmente, uma das luvas estava amarela. Amarela mesmo, cor de caneta marca-texto, sabe? A mancha fazia o formato dos dedos certinho. Eu admito que fiquei impressionada! Questionei se ela tinha certeza absoluta que aquilo era do cigarro e ela confirmou, ainda enfatizou que isso sempre acontece quando ela coloca as luvas brancas depois de fumar. Depois disso fiquei muda um tempão.
Que a nicotina é uma praga e faz muito mal para o fumante eu sempre soube, que ela amarelava os dedos e os dentes também não era novidade, mas essa situação da luva, ainda mais nesse meu momento sem tabaco, me deixou bem pensativa.
Uma vez, por exemplo, eu fiquei um período com o dedo indicador e a unha amarelos, das duas mãos. Foi em um período mais pesado meu como fumante e foi justamente quando vi meus dedos daquela cor que dei uma controlada no cigarro. Demorou um tempão para sair. A diferença aqui é que levei bastante tempo para conseguir essa proeza dos dedos amarelos, no caso de ontem, a luva amarelou em questão de minutos. Meu Deus! E olha que minha manicure fuma um cigarro tecnicamente mais fraco.
No meu momento pensativo também lembrei das toalhas brancas da minha casa. Eu tive a sorte e o conforto do mundo de não precisar lavar as minhas roupas enquanto morava com os meus pais (maravilha)! Desde que casei a mordomia acabou e passei a ficar mais íntima da lavanderia. Desde então que percebi que as toalhas de banho da minha casa vinham sujas para lavar. Mais especificamente, a minha toalha de banho estava sempre meio encardida, a do meu marido não. No jogo de banho branquinho então a minha toalha chegava a ficar marrom. Eu nunca entendi o motivo, até me achava encardida demais para ser verdade! Enfim, dada a cena da luva de ontem, assim que cheguei em casa fui correndo ver tanto as toalhas do banheiro quanto as que estavam para lavar. Pasmem: todas da mesma cor. O encardido sumiu! Cara! Era a nicotina!
Fumantes por aqui, se quiserem arriscar façam o teste da luva e da toalha para ver. Chocante! Nada que a gente não saiba da nicotina e tudo mais, mas quando a gente vê é um pouco impressionante.
Para terminar, vamos dar um final feliz para esse post, chega de drama. Saí de lá com as unhas da mãos e dos pés pintadas de branquinho. Para mulheres fumantes essa cor não é muito utilizada, pois o esmalte da mão fica amarelo rapidinho. Agora não mais, viva o esmalte branco! Mais uma conquista!
E vamos que vamos! Força Carol!

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Fedidão

Comecei a rir sozinha em um canto da sala. Com os olhos curiosos e um sorriso de canto de boca o meu marido me questionou: "O que é que foi agora?".
Lá estava eu com o iPad na mão gargalhando. Expliquei para ele que nesses vários grupos de apoio ao tabagista que andei me aventurando descobri que muitos ex-tabagistas se referem ao cigarro como "O Fedido".

- E aí galera, todos longe do fedido hoje? - disse um
- Vamos lá, juntos vamos vencer o fedido - exclamou o outro entusiasmado
- Eu não troco nada pelo fedidão de volta - comemorou o terceiro.

Achei engraçado e faz total sentido. A cada dia que passa o cheiro do cigarro é cada vez mais forte para mim e, como o apelido diz, cada vez mais fedido - e mais uma vez caí na gargalhada.
Quando eu digo que o universo dos ex-tabagistas é um mundo a parte não é brincadeira não!

Bora lá, 52 dias sem o fedido e vamos que vamos!




quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Sobre fissuras

Nos últimos dias fui muito questionada a respeito da vontade de fumar nesse tempo que parei com o cigarro.
Como eu disse bem no comecinho desse blog, os primeiros dias eram desesperadores! Eu não sei explicar direito se o problema era a vontade de fumar, controlar a cabeça por não poder fumar, não saber fazer as coisas do dia-a-dia sem fumar... enfim, tudo muito novo e muito complicado. As fissuras vinham a cada duas ou três horas, mais ou menos, e a vontade era de sentar e chorar - algumas vezes inclusive eu fiz isso.
Passado esse comecinho temos as primeiras semanas, que também não foram fáceis, mas muito menos insanas do que os primeiros dias. As fissuras não eram tão frequentes, mas quando vinham eram mais fortes. Minha amiga me ensinou que essa sensação durava 04 minutos (ela cronometrou. Obrigada Jajá!) e que o desafio era controlar a cabeça nesses minutos. Realmente, funcionou muito bem, sobrevivi a elas! .
Passadas essas duas ou três semanas iniciais eu percebi que é muito mais questão de administrar a abstinência. Não posso mentir, a vontade de fumar vem me visitar de vez em quando, mas já não me deixa mais desesperada, não me faz chorar e muito menos ter vontade de desistir. Ela vem e volta, não sei precisar o prazo, mas posso dizer que são bem mais fracas.
No fundo no fundo eu sei que tudo isso é psicológico, pois eu me sinto tão bem sem fumar, tão mais viva, tão renovada... por que raios eu fumaria de novo? Taí o problema do vício, espantoso como ele consegue ser forte e tirar nossa razão.
Espero um dia não sentir de vez nenhum tipo de fissura e de não ter que ficar me controlando em algumas situações. Torço para que isso aconteça, mas até lá o jeito é seguir me policiando.
Hoje completo 51 dias sem fumar (viva!) e eu não vou desistir e não vou zerar essa contagem. Vamos que vamos!

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Esquadrão anti-fumo



Acredito que todo tabagista já foi interrogado, pelo menos uma vez na vida, por algum integrante do esquadrão anti-fumo. Eles estão espalhados pelas cidades, nas ruas, bares, restaurantes e empresas e possuem um único objetivo: questionar o porquê você não para de fumar. Ainda no esquadrão anti-fumo temos um personagem que parece superior a todos os outros interrogadores, mais insistente, mais questionador e, claramente, mais chato: o ex-fumante.
Alô alô não fumantes e ex-fumantes do esquadrão anti-fumo que estejam por aqui: ESSE DISCURSO NÃO SERVE PRA NADA E NÃO AJUDA NINGUÉM!
(Yeaaaahhhhh... sempre quis fazer essa declaração, estava entalada na garganta há anos. Ufa!)
Sério. Não ajuda. Acreditem! Em primeiro lugar: esse interrogatório aparece sempre em momentos nos quais não queremos falar a respeito. A gente vai na calçada, estava horas sem fumar, finalmente tem os minutos de relaxamento e aparece um mala sem alça perguntando se a gente nunca pensou em parar. Cara! Ou então vai na padaria, bar, boteco comprar um cigarro e o caixa faz a declaração "não fuuuuma". Cara! A gente está parado, fumando um cigarro, um transeunte passa entre nós e solta um cochicho "Fuma não, fuma não". Cara! Se manquem!
Os ex-fumantes são os piores. Além de usarem o velho bordão de parar de fumar eles se utilizam do fato de terem parado para tentar te dar mais apoio. É aí que eu me pergunto: ele não lembra do esquadrão anti-fumo e de quanto isso é chato?
De verdade, eu não conheço ninguém que resolveu parar de fumar porque foi abordado com essa solicitação rasa e chata. Se conhecerem alguém, por favor me apresentem. Que fique claro de uma vez por todas: a pessoa vai parar de fumar quando ela colocar na cabeça dela que pretende parar (ou, mais tragicamente, quando ficar doente). Não adianta contar história trágica, não adianta falar que ela é tão bonita e não deveria fumar, não adianta nada disso. Mais ainda: o fumante sabe que o cigarro faz mal, tá? E causa todas as doenças e tudo mais. Não precisa que você do esquadrão anti-fumo conte essa "novidade" para ele.
Lembro uma vez no trabalho um cara da empresa, antes de uma reunião, virou pra mim na frente de todo mundo e disse: "Não vai cumprimentar ninguém? Aposto que é porque está cheirando cigarro". Adivinhem? Ex-fumante. Claro! Agora eu pergunto: isso me ajudaria a parar de fumar?
Uma vez também eu fui sair para fumar e me questionaram: "Vai fumar de novo? Pô". Fui fumar sim e para garantir fumei dois: um para descontar a raiva desse questionamento idiota e outro porque era o cigarro que eu ia fumar inicialmente,
O que eu poderia sugerir para você, inconformado com o fato de que as pessoas fumam é que quando um fumante sinalizar que tem intenções de abandonar o vício, acolha-o e escute o que ele tem a dizer. Simples assim! Eu sinto muito te informar, você não vai conseguir convencer ele com o discurso chato e a solicitação irritante. Pode ser que esse tabagista que esteja na sua frente não parou de fumar por insegurança, por falta de apoio, por medo... você já parou para pensar nisso? Mais ainda, para enfrentar tudo que ele vai enfrentar ele vai precisar de apoio, carinho e compreensão. A última coisa que ele precisa é de uma série de questionamentos e lição de moral. Se ele não quer parar, deixa ele, não enche, por favor!
Eu precisava escrever isso tudo. Estava entalado na minha garganta há anos! Além disso, agora que parei de fumar a gangue de ex-fumantes do esquadrão anti-fumos está me perseguindo e finalizo o texto com uma promessa: eu não vou ser a ex-fumante chata. Prometo! Eu entendo os fumantes, afinal de contas eu fui uma! Estamos juntos!


segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Grupos de apoio



Antes mesmo de eu tomar a decisão de parar de fumar eu sabia que existiam grupos de apoio destinados para isso. Quando eu parei comecei a buscar mais informações a respeito e descobri um novo mundo - o universo dos ex-fumantes! Existem diversas opções de grupo de apoio para nós ex-tabagistas. Vamos falar um pouco a respeito de tudo isso?

Blog
Como o meu processo entre tomar a decisão e chegar à data agendada foi muito rápido, não tive tempo de correr atrás de um desses grupos, daí uma das ideias de criar esse blog. Aqui é o meu grupo de apoio de uma pessoa só. Bom, eu chamava ele assim, mas recebo tanta mensagem de incentivo por aqui e pela fanpage do Facebook que eu não posso mais dizer que estou sozinha. Enfim, não se compara a um grupo de apoio com psicólogos, médicos e tudo mais que é preciso, mas o blog tem me ajudado. Eu recomendo para quem gosta de escrever, tenha um pouco de tempo e não tem tanta vergonha de se expor. Também tem a opção de ler os blogs alheios. Eu mesma já descobri vários e é interessante, pois em alguns vejo que a pessoa passou por algo semelhante a mim e em outros vejo casos tão diferentes.

Grupos de Apoio ao Tabagista
Eu conheço, indiretamente, o grupo de apoio do Hospital São Paulo (Unifesp), aqui em São Paulo. Minha mãe conseguiu parar com a ajuda deles e depois que deu certo para ela vários parentes nossos e conhecidos foram lá. Se o processo não mudou muito, funciona mais ou menos assim: são encontro semanais e a pessoa conversa com profissionais de saúde. Eles indicam o medicamento a tomar (quando necessário) e com um verdadeiro grupo de apoio, com vários outros fumantes, é escolhida a data para parar de fumar. Todos param juntos na mesma data e os encontros semanais continuam, tanto para todos se apoiarem quanto para os medicamentos serem analisados e reduzidos. Minha mãe foi orientada a parar com os adesivos de nicotina, outros conhecidos nossos receberam antidepressivos, etc. Lembro que os encontros dela eram de segunda e ela sempre voltava pra casa renovada e feliz. Na mesma época o telefone de casa tocava bastante, eram os outros ex-tabagistas ligando para ela, todos em um apoio mútuo. Eu testemunhei todo o processo e vi que funciona. Se eu tivesse me organizado melhor eu teria ido lá. Na época o serviço era gratuito, não sei se continua, acho bom confirmar antes caso alguém queira frequentar o grupo. Sei que existem outros grupos de apoio que funcionam de maneira parecida e no site da Aliança de Controle do Tabagismo tem uma lista com todos eles.

Quit Now e Apps
Já falei sobre o aplicativo Quit Now aqui no blog - link do post aqui. Ultimamente tenho entrado bastante no chat do app e tem sido uma experiência super rica. Encontramos pessoas que acabaram de parar, outras que pararam há muito tempo, outras que ainda estão tomando coragem... enfim, todos se ajudando e compartilhando mensagens de incentivo. Não posso falar dos outros apps disponíveis, mas o desse específico funciona direitinho. 

Whatsapp
Entrei em um grupo do Whatsapp de ex-tabagistas. Funciona muito parecido com o chat do QuitNow, mas por ser um grupo pré-definido a gente vai descobrindo mais ou menos quem é cada pessoa e as dificuldades. Tem os horários de pico, nos quais fiquei meio perdida com tanta mensagem, e os horários mais tranquilos. É bem legal para pedir uma ajuda rápida, tirar uma dúvida, enfim... funciona como um grupo do Whatsapp, acredito que todos já tenham participado de um, mas com a diferença de que esse é para uma causa específica.

Facebook
Tem algumas comunidades para os ex-fumantes no Facebook. Também, todos compartilham informações, tiram dúvidas, etc. Para encontrar uma é só digitar ex-fumantes ou ex-tabagistas na janela de busca e escolher alguma que pareça interessante.

Enfim, sozinhos nós ex-fumantes não estamos e grupos de incentivo tem de monte, em muitos casos sem nem precisar sair de casa!
Fica a dica para quem está pensando em parar!
Deixa eu ir lá que desde o gurpo do "zap" meu celular não para... rs... até a próxima pessoal!

domingo, 16 de outubro de 2016

Superlua

Ontem coloquei na fanpage do Facebook algumas informações a respeito da superlua desse final de semana. Com toda a energia da lua vem junto a oportunidade de tomarmos grandes e importantes decisões em nossa vida. A hora é agora! Como eu já parei de fumar, vou aproveitar a energia da lua para reafirmar isso. Por incrível que pareça hoje, aos 48 dias sem fumar, começou a me dar vontade de novo. São as conhecidas fissuras. Elas vêm e vão embora, mas achei que estava livre delas pra sempre. Uma dica a respeito da vontade de fumar: minha amiga me explicou que cronometrou elas e duram até no máximo 4 minutos. É, o jeito é dar um gole de água, distrair a cabeça, cantar uma música enquanto isso não passa. Jajá, obrigada pela dica!!! Compartilhada!!!
Não foi a superlua que me trouxe, dessa vez a responsabilidade é minha: ontem chegou um novo cão em minha casa! Um filhote lindo e que deixou as coisas bem agitadas por aqui! Nós já tínhamos um cachorro de 02 anos, então passamos o dia nesse processo de adaptação canina. No final do dia eu estava tão esgotada que, mais uma vez, só pensava em sentar um pouco e fumar um cigarro. Olha como as coisas são! Mas sigo aqui firme e forte! Agora sou mãe de 02 cachorros lindos e muito bagunceiros! 
Agora vou lá cuidar da minha pequena matilha, antes que minha casa venha abaixo!
Até a próxima pessoal e feliz 48 dias pra mim! 

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Vida social na ativa!



Essa semana a minha vida social voltou à ativa total.
No início do meu período sem cigarro eu evitei sair, pois sabia que teria dificuldade com isso. De alguns dias para cá os programas com os amigos voltaram a todo vapor (mas sem vapor. Rá, adoro essa piada besta). Tenho a alegria de anunciar que sim: é possível sair com os amigos com a mesma alegria e felicidade no coração de antes, mesmo sem fumar!
Quem esteve por aqui viu, sábado foi dia de festival de rock e sobrevivi - com ressaca e tudo! Quarta-feira foi dia de churrasco, o que incluiu muitas cervejinhas e acompanhar as minhas amigas à área externa quando elas iam fumar. Lá estive eu, firme e forte. Ontem foi dia de petiscos e vinhos, dessa vez com uma turma na qual antes eu era a única fumante e foi um prazer ficar com minhas amigas o tempo todo na mesa! Pelo andar das coisas amanhã vai ser dia de A.A... rsrsrs
Tudo isso para dizer que em 08 semanas sem fumar já é possível ter a vida social ativa! Fica o recado para quem está pensando em parar de fumar!
Lógico, não vou me aventurar a acompanhar ninguém em um fumódromo apertado - quem sabe no futuro eu consiga - mas não precisem ficar com receio de frequentar ambientes onde haverá pessoas fumando, ou até mesmo, como foi o meu caso, amigos fumando. O segredo de permanecer firme e forte sem cigarro está no nosso psicológico. Se você coloca na cabeça que vai ficar com vontade, sinto informar, mas até dentro de um cinema você vai sentir vontade de fumar. Se colocar na cabeça que a fase do cigarro acabou, está enterrada e não voltará nunca, você consegue sim. Acredite!
Post curtinho, dia corrido no trabalho. Amanhã é sábado (o temível) e nem isso mais é um problema para mim. Viva a vida!
Até a próxima pessoal!


quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Adesivos de nicotina

Eu prometi que ainda falaria melhor a respeito dos adesivos de nicotina que eu usei, então a hora é agora!
Antes de começar o post, vou deixar claro duas coisas: vou omitir o nome do meu adesivo específico e recomendo que todos que queiram utilizar esse método consultem um médico antes ou, se não o fizer, assumam a responsabilidade por qualquer risco ou problema que vocês possam ter. Desculpem falar isso, mas não sei se posso sair por aí falando sobre os adesivos sem ter problemas futuros, então é melhor prevenir, né?
Voltando ao assunto.
Eu optei pelo método de adesivos por alguns motivos: não queria me arriscar a parar sem utilizar nada (não me sentia forte o suficiente), a ideia dos chicletes não me agradava (não gosto de chiclete para começo de conversa), eu conheço muitas pessoas que pararam de fumar com ele (inclusive a minha mãe e minha avó) e eles me pareciam menos agressivos do que partir para medicamentos ou outras opções disponíveis.
Os adesivos possuem quantidades de nicotina diferentes: 21mg, 14mg e 7mg. Cada caixinha vem 07 adesivos e custa aproximadamente a mesma coisa. O de 21mg é para quem fuma mais de 10 cigarros por dia, o de 14mg menos de 10 e o de 7mg é para ser utilizado na fase final do tratamento. A indicação é que você fique 02 semanas com cada dosagem, então o tratamento todo leva de 06 a 08 semanas. Se não me engano era mais ou menos isso. Enfim, consultem sempre a bula para se certificarem das informações.
Eu sou medrosa, então mesmo sabendo que na época eu fumava em torno de 10, comecei pelo de 21mg que era para garantir que eu não teria abstinência. Diminuí as doses semanalmente: iniciei com a de 21mg, na semana seguinte fui para 14mg e na última 7mg. Não é o que eles indicam (que fique claro isso), mas para mim deu certo.
Algumas curiosidades do uso de adesivos:
- Eu senti bastante em cada mudança de adesivo, com quantidade menor de nicotina. Na semana final, das 7mg, eu senti a abstinência mais ainda, mas acredito que nem se compara caso eu tivesse cortado o cigarro e não utilizado os adesivos nem nenhum outro método de reposição de nicotina.
- Só de curiosidade eu fui cheirar os adesivos. Tem cheiro de cinzeiro... rs.. um cheiro horrível, até para os fumantes! Mas não se preocupe, você não vira um cinzeiro ambulante não... só dá para sentir colocando o nariz no adesivo mesmo.
- Eu sentia muita muita coceira no local do adesivo, mas ela passava depois de alguns minutos. Nos primeiros dias a coceira era tanta que eu tinha vontade de desistir deles. Ainda bem que segui em frente, pois a coceira passava em alguns minutos e logo tudo ficava bem.
- A sugestão é não fumar enquanto utiliza os adesivos, inclusive na bula diz que é até perigoso ter um ataque cardíaco ou outros problemas caso você fume. Eu não fumei - mas admito que depois soube de gente que fumou um pouco e não aconteceu nada e me peguei pensando que eu poderia ter fumado um cigarrinho ou outro e na sequência me senti mal por ter pensado nisso. Enfim, não fumem, a ideia é parar e os adesivos cumprem bem o papel de reposição de nicotina. Acreditem!
- Dá para fazer atividade física com eles numa boa! Eu fiz aula de bike, corrida, entre outros exercícios e eles não descolam, uma maravilha!
- É legal porquê a cada semana você tem um motivo para comemorar com cada mudança de dosagem. Isso estimula bastante no processo de parar de fumar - comemore cada conquista, inclusive a da troca de adesivo!
Eu sou extremamente grata pela indústria farmacêutica por ter criado esse método. Para mim ele funcionou muito bem! Para quem acompanha o blog, hoje não uso nada e não vejo a necessidade de repor nicotina, nem de vez em quando. Ufa!
Claro, caso tenham alguma dúvida ou outra curiosidade é só me chamar por aqui ou na fanpage do Facebook! Se alguém quiser contribuir com outras dicas, relatos, também fiquem a vontade!
Por hoje é isso pessoal, até a próxima!


quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Passada rapida!

Passada rápida para dar notícias!
Por aqui tudo tranquilo - Projeto Parar de Fumar a todo vapor, mas sem vapor!
A minha catapora esquisita (Pitiríase Rosea de Gilbert) está indo embora a passos largos. Assim como ela apareceu e se espalhou muito rápido, também está me deixando com velocidade total. Ufa! O prazo era de 6 a 8 semanas... eu estou na semana 6 desde que ela surgiu, então tudo dentro do prazo. Ufa!
Eu não ia comentar aqui, mas mudei de ideia: desde segunda estou com muita dor de garganta. Impressionante como eu fiquei doente desde que parei de fumar. Sempre tive uma saúde de ferro (como diria minha mãe), mas nas últimas semanas... pelamor... já passei por um pouco de tudo! Eu disse que não queria comentar aqui para não parcer um blog de doenças rápidas... rs... mas qual seria o objetivo disso tudo se eu não contasse a verdade? Além do mais, vai ser bom para um dia eu lembrar exatamente de tudo que passei quando parei de fumar, sem omissões de detalhes e sem mentiras!
Dada a minha nova dor de garganta (que aliás já está de partida), resolvi pesquisar e vi que sim, é inclusive normal, ter algumas reações assim quando para de fumar. Tosse, resfriado, dor de garganta, entre outros! Eu li na BBC do Reino Unido, lá fala bem de todo o estudo, mas como não sei se todos os leitores aqui falam inglês, achei o resumo da reportagem em português. Segue o link para comprovar! Mais uma vez: tudo sob controle apesar do descontrole!
Por hora é isso!
Até a próxima pessoal e lembrem-se: força!

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

1 mês e meio!

Hoje de manhã me dei conta que essa semana completo 1 mês e meio sem fumar!
A realidade de acender um cigarro já está tão distante de mim. As fissuras desapareceram de vez e o meu medo de cair em tentação praticamente não existe mais. Eu achava que eu levaria mais tempo para sentir isso, mas pelo visto estava enganada. Para a rotina geral, do dia-a-dia, já está tão normal não fumar que o cigarro nem passa pela minha cabeça.
Sábado fui almoçar em uma lanchonete perto de casa e era um dos lugares que durante a semana eu também parava para comprar cigarro. Fui acompanhar meu marido na hora de pagar a conta, o atendente do caixa olhou para mim e disse "não vai levar o cigarro hoje?". Sorri e disse "Não, eu parei de fumar". Ele sorriu de volta e disse que o meu pulmão agradecia e que eu tinha feito muito bem pela escolha. Fiquei feliz! Também na entrada do show, no mesmo sábado, a segurança revistou a minha bolsa e perguntou "você fuma?". Respondi que "não" e depois fiquei rindo sozinha. Acho que ainda não estou acostumada a dizer que não fumo.
Hoje também minha compulsão por balas e chicletes desapareceu. Continuo com eles na bolsa e no carro, mas percebi que se eu for consumir um dos dois é por vontade mesmo - assim como com qualquer outra pessoa quando come uma bala ou masca um chiclete.
Eu não sei exatamente qual o prazo para uma pessoa poder se declarar totalmente ex-fumante. Sei da minha dependência química cigarro e sei que nunca terei a cabeça de um não fumante, terei que me policiar sempre, ou o vício voltará. Mas deve ter um período em que eu terei alta disso tudo e poderei ser oficialmente uma ex-fumante. Quando será? Vou pesquisar.
É isso aí! Sigo feliz, forte e muito entusiasmada com essa minha nova vida. Vamos em frente! Rumo ao segundo mês!


domingo, 9 de outubro de 2016

A ressaca!

Sobrevivi ao meu primeiro festival de música sem cigarro!
Com ele veio uma nova descoberta: a ressaca dos que não fumam! E ela é tão tranquila!
Como eu disse algumas vezes nesse blog, meu objetivo era parar de fumar, mas continuar com as outras atividades da minha vida normalmente. Eu gosto de música e também de cerveja, mais do que isso, gosto dos dois juntos, por isso sempre que possível vou a algum show ou festival! Ontem foi um desses dias! Fiquei um pouco preocupada quando cheguei e vi que o festival era ao ar livre. As pessoas fumariam ao meu redor. Realmente fumaram, mas como eu digo, cada vez menos a vontade vem, mesmo se tratando de um cenário altamente favorável a me dar vontade de fumar. Não fumei! Mas bebi... opa... como eu bebi!
Pela lógica, hoje eu deveria acordar de ressaca. De certa forma acho que acordei assim, mas se isso que eu tive hoje for a ressaca dos que não bebem, meus problemas estão resolvidos! Para os não fumantes de plantão eu digo uma coisa: vocês não sabem o que é ressaca. A ressaca do fumante é terrível... muito mais dolorosa, muito mais próxima de um estado vegetativo do que isso que os não-fumantes tem. Parar de fumar está me fazendo tão bem que até a nova ressaca é divertida!
Enfim, um post rápido para contar a novidade. Adorei a ressaca dos não fumantes!
Até a próxima pessoal!


sábado, 8 de outubro de 2016

Sábado - o temível!

Perdoem o meu sumiço, travei uma batalha nos últimos dias com um cara chamado Trabalho. Foi tanta reunião, corre corre, problemas e assuntos a resolver que não tive tempo de passar por aqui! Aliás, está aí um dos motivos pelo qual o cigarro era muito importante na minha vida: ele era uma pausa de alguns minutos que eu tinha para me trazer tranquilidade e me levar embora por alguns momentos de qualquer coisa que estivesse acontecendo. Situação difícil no trabalho? Acender um cigarrinho e pensar a respeito disso. Levei uma bronca? Acender um cigarrinho e me acalmar. Fiz cagada? Da-lhe cigarrinho para pensar a respeito. Bati a meta? Cigarrinho comemorativo. Não vou negar, meu companheiro esteve sempre ao meu lado em todas as situações!
Mas isso são lembranças apenas. De verdade, acreditem, eu hoje agradeço que não preciso mais fazer todas essas pausas em todos os momentos. Não vou negar, na época eu achava bom (de certa forma ainda acho que sim), mas descobri um lado diferente sem ter todas essas pausas tabagistas. Além de tudo a vida fica muito mais dinâmica e rapida, coisa que é muito importante especialmente para quem tem uma rotina corrida e turbulenta como a minha. Ganhar tempo, para mim, traz mais alegria e alívio do que a pausa do cigarro. Taí uma situação completamente nova, mas que foi legal conhecer!
Hoje é meu sexto sábado desde que parei de fumar. Esse dia da semana tem sido o mais difícil desde então, mas acredito que superei essa dificuldade também. Ufa! Como eu disse nesse blog em varios momentos, nada como um dia após o outro, ou no meu caso, um sábado após o outro!
A noite tenho festival de música com show de várias bandas bacanas, inclusive o Libertines que eu AMO! Fico um pouco preocupada se esse ambiente rock'n roll e todas as cervejas que vou beber (sim!) não vão me fazer surtar e filar o cigarro do coleguinha ao lado. Imagino que não. Espero que não. Shows de rock são sempre fumacentos, mas enfim... vou ter que aprender a lidar com isso! Depois eu conto por aqui como é que foi!
Até a próxima pessoal!

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Tudo o que eu imaginei de tortura, sofrimento, dor, tristeza foi tão rápido que se o objetivo fosse realmente falar só sobre isso o blog teria acabado há uns 10 dias!

Aaaaahhhhhh. Nada como um dia após o outro!!

0

Apesar do último surto parecer assustador, sei que não foi um daqueles de quando a gente para de fumar! Ih, ficou confuso. Deixa eu explicar melhor.
Nos primeiros dias sem cigarro as variações de humor são mais constantes e aí sim você percebe que está agindo de determinada maneira em decorrência do não fumar. Pelo que andei lendo e me informando a respeito, os altos e baixos variam de pessoa para pessoa. Eu ficava triste e de repente muito feliz. Triste mesmo, de chorar, sabe? Eita! Soube de pessoas que ficavam mal humoradas e depois felizes, outras que ficavam bravas e depois calmas... enfim, varia muito! Por isso repito, os primeiros 15-20 dias são os mais complicados, passados eles tudo fica mais estável e controlável! De verdade!
Meu surto de ontem foi resultado de um período de stress que aconteceria eu fumando ou não. Ok, eu aproveito o fato do fim do tabagismo para aumentar o drama, mas sei que não foi bem assim. Como o próprio post disse, quem nunca teve um dia de fossa? Na minha vida tumultuada então, tenho vários! Principalmente os de fúria, rá!
Hoje me dei conta de que o blog, que seria, entre várias outras utilidades, o meu aliviador de abstinência, o lugar para eu explicar sobre tremedeiras e sensações bizarras do sofrimento sem a nicotina se tornou um divã público para eu falar sobre a minha nova vida e rotina sem o cigarro! Tudo o que eu imaginei de tortura, sofrimento, dor, tristeza foi tão rápido que se o objetivo fosse realmente falar só sobre isso o blog teria se encerrado há uns 10 dias!
O processo de parar, por incrível que pareça, já foi! O blog hoje é um lugar para eu falar sobre as descobertas, de como é fazer praticamente todas as coisas que eu já fazia antes, mas sem fumar. Em alguns casos é bem diferente, em outros é exatamente como eu disse: fazer a mesma coisa de antes só que sem cigarro. Simples assim!
Hoje faz 1 mês e 6 dias que parei e minha rotina já está muito mais adaptada a não fumar do que ao contrário. Querem saber mais? Não sinto mais vontade! O mantra "não posso fumar, não posso fumar" que tinha passado para "um cigarrinho caia bem" agora virou um raro "Se eu ainda fumasse seria agora que eu acenderia um cigarro" seguido de uma risada saudosa, porém com ar de vitória!
Vamos que vamos, nada como um dia após o outro!
As vezes nem eu acredito que estou conseguindo... oh yeah!

Mensagem rápida!



Nada como um dia após o outro!
Dei uma voadora naquela deprê toda e já estou de volta à normalidade - ainda que minha normalidade não seja tão normal assim!
Neste exato momento estou no meio de uma correria e antes que o mundo corporativo me chame de volta para uma série de reuniões eu vim aqui rapidinho falar que fiquei tão feliz ontem!
Eu via o blog como meu "Grupo de Apoio de Uma Pessoa Só", mas tenho recebido tanta mensagem e tanto incentivo que virou realmente um grupo de ajuda! Obrigada pessoal, vocês não sabem o bem que toda forma de contato me fez! Estou muito feliz!!!
Deixa eu correr aqui que a Vovó Catapora tem duas reuniões e passada a turbulência faço o post do dia!
Beijos!!!!

terça-feira, 4 de outubro de 2016

"...Acredito que todo mundo tem um dia na fossa. Hoje é o meu!"




Não basta todo o esforço que fiz, e de certa forma tenho feito, para conseguir parar de fumar, parece que a vida quer mais: se é para testar que seja tudo! Nível hard!
Paft, foi lá e me deixou com essa catapora bizarra chamada Pitiriase Rosea e aqui caminho eu, toda cheia de manchas pelo corpo. Andei lendo, nessa pitiríase o emocional é um fator importante, pois quanto mais stress ou ansiedade enfrentamos, a situação da pele fica pior. Pois bem, desgraça pouca bobagem, tenho passado as semanas mais complicadas e insuportáveis no trabalho. As manchas aumentaram (e muito), então me preocupo com elas, mas na medida que me preocupo elas aumentam e assim caminha essa bola de neve. Fora a parte estética, tem o lado da coceira: elas coçam. Coçam demais! Ontem eu cheguei a ponto, juro para vocês, de querer fumar um cigarro para ver se com isso pelo menos a pitiríase não sossega. Mudei de ideia depois, poderia não funcionar e acabar também piorando o lado que eu ia ficar frustrada por ter fumado.
Não bastando, vem o teste da balança e paft de novo: engordei! Passei o dia pensando a respeito e percebi que com relação a esse assunto eu não posso culpar tanto o cigarro assim. Eu esculhambei nas últimas semanas, então de certa forma até que o resultado não foi tão cruel quanto poderia ter sido. Fiquei mais animada.
Hoje de manhã, me arrumando para ir trabalhar, um ponto de luz me chamou a atenção no espelho do banheiro: um fio de cabelo branco!!!!!!! Fala sério!!!!!! O meu primeiro!!!! Ok, esse dia iria chegar, ok, existe tintura, ok, foi apenas um fio e não a cabeça inteira.... mas, repito, desgraça pouca bobagem, essa coisa poderia ter aparecido em outra hora, não é mesmo?
Enfim, a vida continua, mas precisava desabafar em algum lugar. Lembrei que estou com uma caixa de antidepressivos em casa, mas melhor não... tenho medo de me viciar, tenho medo de gostar deles.
Lembrei então do meu blog-grupo-de-apoio-com-uma-pessoa-só e vim aqui descarregar. Só um desabafo, simples assim. Parando de fumar, ou não, acredito que todo mundo tem um dia na fossa. Hoje é o meu!
Até a próxima pessoal.

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

O desafio da balança!

Eu tinha combinado aqui no blog (nesse post aqui) que eu me pesaria depois de parar de fumar para verificar o mistério: parar de fumar engorda?



Então recapitulando: logo que eu parei de fumar eu fui para a academia e percebi uma diferença brutal nos meus batimentos cardíacos durante os exercícios. Com isso eu percebi, também, que a minha queima calórica passou a ser menor depois que parei de fumar. Logo, lembrei daquela máxima que dizem por aí "parar de fumar engorda" e, após pesquisas no Dr. Google, nada de fato me dizia se isso era só uma lenda urbana ou se, de fato, parar de fumar engorda.
Daí então eu me comprometi a me pesar 1 mês depois para verificar se houve mudanças.O resultado eu deveria ter divulgado ontem, mas o final de semana foi tão corrido e caótico que só consegui parar agora para contar tudo para vocês.
Preparados?
Pois então... 1 mês e 03 dias depois de parar de fumar eu informo que (rufem os tambores): engordei 1,5kg!  Também tirei as medidas de quadril e cintura... ganhei 2cm em todas elas.

You bastard!

Que droga!
Quando estive na minha médica, semana retrasada, eu me pesei e  estava lá marcado 1kg a mais, então quando me pesei para o desafio do blog eu já sabia mais ou menos o que esperar. Só não contava com esse meio quilo extra! 
É preocupante, eu admito. Talvez o que me assuste ainda mais é pensar que isso possa continuar acontecendo e eu me pergunto "onde é que isso vai parar?". Eu pratico exercícios físicos, tenho uma alimentação super regrada e olha só... 
Por outro lado, vamos falar a respeito das últimas semanas: teve jantar de aniversário de casamento, nasceu minha sobrinha e em todas as visitas tinha um monte de docinhos para saborear, teve pelo menos uns 4 aniversários na empresa (todos com direito a um pedaço de bolo bem gordinho), teve uma semana que eu não fui na academia nenhum dia, semana passada teve o bolo de comemoração de 1 mês sem fumar... além disso, percebi sim que tenho comido mais doces do que o meu habitual. Balas então, nem se diga!
Eu pensei muito a respeito desse post, se eu deveria divulga-lo ou não. É um dos maiores desestímulos para quem pensa em parar de fumar. A minha sorte (ou azar) é que só lembrei disso depois que eu tinha parado, porque se eu lembrasse antes eu já ia começar o processo meio que em panico. A diferença é que agora estou em panico no meio do processo!!!
Vou lançar o desafio da balança por mais um mês. Vou cortar esse monte de doce que nunca fez parte da minha dieta habitual e verificar se o ponteiro da balança continua subindo ou se ele volta para o lugar de onde nunca deveria ter saído.
Independente dessa porcaria de resultado podem ficar tranquilos: não é isso que vai me fazer voltar a fumar. Continuo aqui, firme e forte!
Que venha o segundo mês. 


Faz mesmo.... =(

sábado, 1 de outubro de 2016

Piada rápida!

Calma, é para descontrair um pouco!!!!




De fissura em fissura já fui e voltei do fundo do poço várias vezes mesmo! Mas hoje em dia tudo sob controle! 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...