sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Adeus ao último maço!

Olá lá ele! Adeuuss!

Um ano, quatro meses e quinze dias. Foi esse o intervalo de tempo entre o dia em que parei de fumar e o dia em que joguei fora o último maço de cigarros. Eu-sou-estranha!

Não é nenhuma novidade no blog, já falei diversas vezes que sou da espécie estranha que manteve o inimigo bem próximo durante todo esse tempo. Sim, recomenda-se jogar fora tudo que remete ao cigarro, inclusive ele mesmo, mas eu não consegui fazer isso logo de cara. 

Ao longo do tempo e através de muita conversa com os ex-fumantes, percebi que não sou a única, não fui a primeira e certamente não serei a última a guardar o cigarro mesmo quando não deveria. Também descobrimos nessas conversas algo em comum conosco na hora de jogar o último maço no lixo: insegurança! 

Eu era da fumante que tinha verdadeiro pânico em ficar sem cigarro. Eu sempre, sempre, sempre tinha cigarros extras em uma boa margem de segurança para ter certeza que não me faltaria fumo em nenhum momento. Por isso a ideia de jogar o maço fora e ficar totalmente desabastecida me pareceu bastante assustadora. Terrivelmente aterrorizante!

Além disso, admito que bateu o medo de não conseguir ficar sem fumar, da abstinência ser mais forte do que eu e qualquer outra situação desesperadora em que só um cigarro me salvaria. Seria mais fácil se ele estivesse lá! Já falei por aqui, em todos os anos como tabagista eu nunca tinha ficado um dia sequer sem fumar... era tudo muito novo e assustador para mim, então resolvi arriscar e guarda-lo dentro de casa.

No fundo essa bizarrice me ajudou, pois me deu mais segurança - mesmo sabendo o enorme risco que eu corria com o cigarro a tão fácil alcance. Cada louco na sua bizarrice, a minha foi essa!

Há exatos 15 dias eu mudei de casa e enquanto empacotava a minha mudança olhei para o maço de cigarros lá parado há mais de um ano. Cogitei leva-lo comigo, mas parecia tão sem sentido. Enquanto pensava no que fazer o conselho chegou via Instagram "Não leve a energia disso pra sua nova casa!". Empurrãozinho final dado, adeus cigarro! Fiz até um videozinho comemorativo! 

13 de janeiro de 2017, o dia em que me libertei de vez! Freedom!

Até a próxima pessoal! EU PAREI DE FUMAR, YEAAH!!




quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

500 dias!

Hoje acordei com uma notícia muito feliz que o QuitNow! me deu: estou 500 dias sem fumar!



Incrível! As vezes nem eu acredito que consegui parar de fumar. Parecia tão impossível e tão sofrido... e aqui estou! Mais surreal de tudo: parei de primeira!

Estou muito feliz por ter chegado até aqui. Sei que tem mais, muito mais por vir, oh yeah, mas vamos curtir um dia de cada vez e comemorar toda e cada conquista!

Feliz 500 dias para mim!

Adeus cigarro, Olá Vida! É festa!!! 

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Feliz ano novo!



2017 foi o primeiro ano, em muito, mas muito tempo mesmo,  que passei os 365 dias inteirinhos sem fumar. A última vez que atingi essa marca eu deveria ter uns 14 anos... ou seja, além de quase duas décadas sem esse feito, foi a primeira vez na vida adulta que fiz isso! Vejam só, novos recordes! 
Chegará o dia em que eu olharei tudo isso por um outro ângulo, aquele do "nossa, que bizarro, eu fui fumante um dia!", vamos acompanhar.

Tenho recebido muita mensagem do pessoal que iniciou a resolução de ano novo e parou de fumar na virada, ou então decidiram que 2018 é o ano decisivo e estão naquele momento de tomar coragem para o grande dia.

Fico feliz quando leio os comentários e os relatos. Estou alguns meses na frente, mas acredito que nunca vou esquecer como foi esse processo para mim, por isso me emociono quando leio os relatos alheios. Sei como o começo é difícil, lembro direitinho os receios, angústias e toda a confusão interna que o parar de fumar pode causar. Desejo a todos vocês força! Aguentem firme! Resistam! Acreditem em mim, esse início horroroso vai passar e as recompensas da vida sem fumo são tantas e tão gostosas de se sentir, acreditem em mim!

Já disse inúmeras vezes que eu não sou e nem pretendo me tornar a ex-fumante chata que tenta convencer o mundo a parar de fumar, mas por outro lado fico tão feliz quando vejo alguém tomar essa decisão. A vida muda para muito melhor sem o cigarro e por isso comemoro! Eu gosto de ver a felicidade alheia, por mais síndrome de Pollyana que isso possa ser.

Sejam bem vindos ao mundo dos cheirosos, força nessa luta pessoal!

Um feliz 2018 para os atuais e futuros ex-fumantes e para os nunca fumantes também, que sei que acompanham esse blog!

Vamos que vamos! Até a próxima pessoal!



terça-feira, 21 de novembro de 2017

Prova de fogo, digo, de água!

Que saudades de passar por aqui, como é bom voltar a escrever no blog!

A parte pseudo cômica ser ex-dependente-de-qualquer-coisa é que na primeira sumida a sensação que dá é que a pessoa teve uma recaída. Fiquem tranquilos! Continuo bem, firme e forte e com milhares de coisas acontecendo ao mesmo tempo, ou seja, no meu normal.

Do último post para cá muitas águas rolaram, inclusive literalmente. Passei por uma espécie de prova final da minha paciência e, porque não, do cigarro também. Foi aquela prova do tipo "se o mundo desabar tenho certeza que não é isso que vai me fazer voltar a fumar". Vai sentindo o drama!

Chega de enrolação e vamos direto ao assunto. No último dia em que eu escrevia um post para esse blog, no exato momento em que eu digitava e diagramava e sonhava com as férias que estavam por vir, águas rolavam por andares e andares do prédio onde será minha futura residência.

Sim, enquanto eu separava as roupas para minha viagem e comemorava as tão sonhadas férias, um cano jorrava água dentro do apartamento que passei o ano inteiro reformando. Sabe como descobrimos que o cano estourou? Porque o vazamento atingiu a casa do vizinho. Não... não o vizinho debaixo... o vizinho debaixo do debaixo, porque o vizinho entre nós dois estava viajando e, consequentemente, não pode nos alertar do vazamento.

Ou seja, águas rolaram dois andares do prédio por dias e dias inundando totalmente a minha reforma, bem como o apartamento do casal abaixo de mim e toda a marcenaria e parte dos móveis deles.

Sabe desenho animado, quando abrem a porta e sai por ela água, peixe, aquário, guarda-chuva e toda uma cachoeira de coisas junto? Foi mais ou menos assim.

Gente... sério... foi muito trágico!

Desnecessário dizer que eu  fiquei sem reação quando a notícia chegou até mim. Depois vieram as reações e, dramática que sou, foi algo bem trágico cruzar comigo nos dias que seguiram a notícia do tsunami da casa da Carol.

Eu tenho uma amiga sempre e disse: "Carol, se tem uma coisa que não falta na sua vida é emoção. Tédio é algo que você não vai conhecer" e essa profecia me acompanha sempre. 

Toda essa história para provar que mesmo se algo trágico, bem horroroso, acontecer com um ex-fumante, isso não significa que ele vai recair. Não. A última coisa que eu precisava nessa confusão toda era de um cigarro, então acredito que passei por uma prova final que me testou ao limite!

Como eu disse logo no comecinho desse post, novidades é o que não faltam nesse intervalo em que fiquei sem passar por aqui, mas estava precisando desabafar essa história do tsunami em algum lugar e aqui estou. O trágico dia em que eu entrei pelo cano, oh céus! Alguém tem boas dicas de reconciliação com os vizinhos para me passar? 

Até a próxima pessoal!

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Aquele grito preso na gartanta... férias!

Cinco letras, uma palavra e o melhor e maior sorriso dos últimos tempos: FÉRIAS!



Ufa, nem acredito! Finalmente! Desde que parei de fumar até agora não tive férias, já repararam?! Foi uma emendada de feriado aqui, outra lá, mas tirar um período maior para o devido e merecido descanso até agora nada. ATÉ AGORA, porque oficialmente estou de férias pessoal! Que alegria!

Faz mais de 01 ano que esse fato lindo aconteceu na minha vida pela última vez, então estou emocionadíssima! Vamos adicionar o fator "parei de fumar" no ano que se passou, então certamente o meu corpo, a minha cabeça e o meu humor precisam urgentemente de descanso.

Isso sem contar que estou há 10 meses reformando um imóvel (essa parte ninguém aqui sabia!). Quem já reformou um comodo da casa que seja sabe o perrengue que é. Eu "derrubei" um apartamento e levantei ele i-n-t-e-i-r-o. Imaginem como eu estou? Não a toa minha safra de cabelos brancos aumentou nesses últimos meses!

Por isso, a ex-fumante-reformadora-de-imóveis-um-ano-e-3-meses-sem-ferias está extremamente feliz em anunciar que o Outlook foi dessincronizado do celular, as viagens diárias São Paulo - São Bernardo foram oficialmente interrompidas, os chinelos colocados nos pés e foi anunciado o período de descanso! Viva!

E tem mais!

Em alguns dias eu viajo para um destino que sempre quis conhecer, mas por um motivo que não sei explicar acabei nunca indo antes. Dessa vez aproveitei a maré de realizações na minha vida para  riscar mais um item da listinha "lugares que sonho em conhecer". Peru, aí vamos nós!

Nesse ritmo de festa eu encerro o post! Ficarei um pouco sumida do blog, mas tentarei mandar sinais via rede social (Já segue o insta do blog? Vai lá, @projetoparardefumar).

Firme, forte e sem o cigarro! Férias, sua linda, chega mais!

Até a próxima pessoal!

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Último maço de cigarros - o retorno!

Como eu disse por aqui em um outro post, logo quando parei de fumar eu não tive coragem de jogar o maço de cigarros fora. Por todo esse tempo do meu Projeto Parar de Fumar os cigarros restantes e o isqueiro ficaram dentro de uma gaveta na minha varanda. 

Pode parecer loucura, mas me tranquilizou muito saber que eles estavam ali o tempo todo. Quando tabagista eu tinha verdadeiro pavor de ficar sem cigarros e esse mesmo pânico me veio quando fui jogar tudo fora no meu primeiro dia sem fumar. Resolvi deixa-los guardados, achei melhor assim.

Durante o último ano, enquanto eu lutava contra o vício eu sabia que a fonte de todos os meus problemas - e solução rápida para a fissura - estava há alguns passos de mim na minha própria casa. Admito que foram diversas as vezes que eu abria a gaveta e encarava ele. Não tinha coragem de me aproximar, muito menos de segurar a caixinha. Analisando, hoje acho bastante perigoso esse meu método bizarro. Onde eu estava com a cabeça?!

Enfim, passado o primeiro ano sem fumar, dia desses fui lá na gaveta, encarei o maledeto e pela primeira vez encostei naquilo. O movimento de abrir a caixinha e pegar um cigarro com uma mão só foi bem automático (anos de prática também, né?). Olhei para aquela situação e fiquei a pensar em como que aquilo, que parece inofensivo, pode ser tão devastador para a saúde a para o psicológico de uma pessoa. 

Sessão de fotos: vivendo perigosamente! 

Em nota: eu não sugiro isso que eu fiz para ninguém. Se quiser cada um por sua conta e risco!!                      

Eu não sei se terei coragem de acender um cigarro novamente e pelo menos por essa experiência, onde eu estava com tudo na mão para ir em frente, eu não tive vontade nenhuma de fumar. Eu tenho tanto medo de ter que passar pelo parar de fumar de novo que só de pensar em acender um cigarro eu fico bastante tensa. Por outro lado, não vamos dar sorte ao azar, né? Ficar segurando o cigarro e o isqueiro é muito perigoso para uma recém ex-fumante.

Guardei de volta tudo na gaveta e achei melhor deixar quieto, não vou mais mexer nisso. Até o fim do ano eu me mudo de casa e vai ser na hora da mudança que eu colocarei um ponto final nisso. Ele ficará para trás nessa minha casa, assim como a minha versão tabagista. Só que a história da mudança é assunto para um outro post! 

Até a próxima pessoal!!

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

História de uma passageira!




Hoje o post não é sobre mim, ou minha luta contra o vício, mas é uma história baseada em fatos reais que envolve o cigarro e eu gostaria de compartilhar com vocês também.

Meu marido e eu temos uma agência de viagens e tem um casal que há bastante tempo viaja com a gente. Os roteiros deles sempre tiveram uma necessidade específica: hospedagem em quartos de hotel para fumante para atender a esposa tabagista.

Acontece que nem sempre é fácil conseguir esse tipo de hospedagem, muitos hotéis hoje vetam o fumo nos quartos e inclusive usam da política "ambiente 100% smoke free" a seu favor para atrair os hóspedes. Com isso, o fumante nem sempre consegue ficar no hotel que foi sua primeira opção, ou de sua preferência, quando o fator decisivo de escolha é "quarto de fumante".

Eu entendo essa passageira, porque eu já fui fumante e eu também sempre pesquisei isso quando ia escolher um hotel para mim. Sei o stress que é ficar hospedada em um local onde é proibido fumar e entendo perfeitamente o quanto isso pode estragar o humor de uma viagem inteira. Só que com a nossa passageira temos um detalhe importante: ela abre mão da viagem, se for preciso, caso não tenha um hotel com quarto de fumantes.

Além disso, mais um detalhe importante: nenhuma viagem que inclua voos muito longos. Para ela seria insuportável ficar tantas horas sem o cigarro, por isso os destinos sempre tiveram que ser de certa forma próximos. Atravessar o Atlântico? Nem pensar! 

Assim foram as viagens deles em todas as temporadas e em todos os destinos, até que um belo dia o marido ligou e anunciou que para a próxima viagem o problema do hotel e do avião estavam resolvidos. A esposa tinha parado de fumar!

Lembro que ficamos bem surpresos com a notícia, foi uma alegria enorme. Eu estava nos meus primeiros meses dessa luta, então não preciso nem dizer o quanto essa notícia me tocou. Mais uma pro mundo dos cheirosos, yeah!

Alguns meses se passaram desde então e no último feriado eles nos enviaram uma série de fotos pelo whatsapp nos atualizando do andamento da viagem deles. Detalhe: em solo Europeu! Não pude deixar de notar a alegria no rosto daquela passageira que agora estava livre para se hospedar onde quisesse e encarar um voo para qualquer lugar que fosse. É o sorriso dos ex-fumantes quando descobrem a liberdade, uma vida completamente nova e muito mais feliz!

Sei que cada caso é um caso e cada um tem suas particularidades e dificuldades. Resolvi compartilhar a história por aqui, quem sabe não incentiva alguém também e/ou alguém não se identifica com ela. Esse relato também mostra claramente que algumas coisas que para nós, quando fumantes, fazem tanto sentido, mas quando paramos ficamos chocados com elas. Abrir mão de um hotel ou voo é bastante impressionante para quem está de fora, mas quando viciados pode ser a coisa mais natural do mundo. Vai entender!

Mais uma história de superação nessa saga da luta contra o vício!

Viva a vida sem fumaça! Viva a liberdade!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...