segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Último maço de cigarros - o retorno!

Como eu disse por aqui em um outro post, logo quando parei de fumar eu não tive coragem de jogar o maço de cigarros fora. Por todo esse tempo do meu Projeto Parar de Fumar os cigarros restantes e o isqueiro ficaram dentro de uma gaveta na minha varanda. 

Pode parecer loucura, mas me tranquilizou muito saber que eles estavam ali o tempo todo. Quando tabagista eu tinha verdadeiro pavor de ficar sem cigarros e esse mesmo pânico me veio quando fui jogar tudo fora no meu primeiro dia sem fumar. Resolvi deixa-los guardados, achei melhor assim.

Durante o último ano, enquanto eu lutava contra o vício eu sabia que a fonte de todos os meus problemas - e solução rápida para a fissura - estava há alguns passos de mim na minha própria casa. Admito que foram diversas as vezes que eu abria a gaveta e encarava ele. Não tinha coragem de me aproximar, muito menos de segurar a caixinha. Analisando, hoje acho bastante perigoso esse meu método bizarro. Onde eu estava com a cabeça?!

Enfim, passado o primeiro ano sem fumar, dia desses fui lá na gaveta, encarei o maledeto e pela primeira vez encostei naquilo. O movimento de abrir a caixinha e pegar um cigarro com uma mão só foi bem automático (anos de prática também, né?). Olhei para aquela situação e fiquei a pensar em como que aquilo, que parece inofensivo, pode ser tão devastador para a saúde a para o psicológico de uma pessoa. 

Sessão de fotos: vivendo perigosamente! 

Em nota: eu não sugiro isso que eu fiz para ninguém. Se quiser cada um por sua conta e risco!!                      

Eu não sei se terei coragem de acender um cigarro novamente e pelo menos por essa experiência, onde eu estava com tudo na mão para ir em frente, eu não tive vontade nenhuma de fumar. Eu tenho tanto medo de ter que passar pelo parar de fumar de novo que só de pensar em acender um cigarro eu fico bastante tensa. Por outro lado, não vamos dar sorte ao azar, né? Ficar segurando o cigarro e o isqueiro é muito perigoso para uma recém ex-fumante.

Guardei de volta tudo na gaveta e achei melhor deixar quieto, não vou mais mexer nisso. Até o fim do ano eu me mudo de casa e vai ser na hora da mudança que eu colocarei um ponto final nisso. Ele ficará para trás nessa minha casa, assim como a minha versão tabagista. Só que a história da mudança é assunto para um outro post! 

Até a próxima pessoal!!

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

História de uma passageira!




Hoje o post não é sobre a mim, ou minha luta contra o vício, mas é uma história baseada em fatos reais que envolve o cigarro e eu gostaria de compartilhar com vocês também.

Meu marido e eu temos uma agência de viagens e tem um casal que há bastante tempo viaja com a gente. Os roteiros deles sempre tiveram uma necessidade específica: hospedagem em quartos de hotel para fumante para atender a esposa tabagista.

Acontece que nem sempre é fácil conseguir esse tipo de hospedagem, muitos hotéis hoje vetam o fumo nos quartos e inclusive usam da política "ambiente 100% smoke free" a seu favor para atrair os hóspedes. Com isso, o fumante nem sempre consegue ficar no hotel que foi sua primeira opção, ou de sua preferência quando o fator decisivo de escolha é "quarto de fumante".

Eu entendo essa passageira, porque eu já fui fumante e eu também sempre pesquisei isso quando ia escolher um hotel para mim. Sei o stress que é ficar hospedada em um local onde é proibido fumar e entendo perfeitamente o quanto isso pode estragar o humor de uma viagem inteira. Só que com a nossa passageira temos um detalhe importante: ela abre mão da viagem, se for preciso, caso não tenha um hotel com quarto de fumantes.

Além disso, mais um detalhe importante: nenhuma viagem que inclua voos muito longos. Para ela seria insuportável ficar tantas horas sem o cigarro, por isso os destinos sempre tiveram que ser de certa forma próximos. Atravessar o Atlântico? Nem pensar! 

Assim foram as viagens deles em todas as temporadas e em todos os destinos, até que um belo dia o marido ligou e anunciou que para a próxima viagem o problema do hotel e do avião estavam resolvidos. A esposa tinha parado de fumar!

Lembro que ficamos bem surpresos com a notícia, foi uma alegria enorme. Eu estava nos meus primeiros meses dessa luta, então não preciso nem dizer o quanto essa notícia me tocou. Mais uma pro mundo dos cheirosos, yeah!

Alguns meses se passaram desde então e no último feriado eles nos enviaram uma série de fotos pelo whatsapp nos atualizando do andamento da viagem deles. Detalhe: em solo Europeu! Não pude deixar de notar a alegria no rosto daquela passageira que agora estava livre para se hospedar onde quisesse e encarar um voo para qualquer lugar que fosse. É o sorriso dos ex-fumantes quando descobrem a liberdade, uma vida completamente nova e muito mais feliz!

Sei que cada caso é um caso e cada um tem suas particularidades e dificuldades. Resolvi compartilhar a história por aqui, quem sabe não incentiva alguém também e/ou alguém não se identifica com ela. Esse relato também mostra claramente que algumas coisas que para nós, quando fumantes, faz tanto sentido, mas quando paramos ficamos chocados com elas. Abrir mão de um hotel ou voo é bastante impressionante para quem está de fora, mas quando viciados pode ser a coisa mais natural do mundo. Vai entender!

Mais uma história de superação nessa saga da luta contra o vício!

Viva a vida sem fumaça! Viva a liberdade!

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Notícias pós 01 ano sem fumar!



A pessoa vai lá, completa 01 ano sem fumar, joga um post no ar e desaparece. Ops! Perdão! Eu voltei! As coisas andam muuuuito corridas aqui pro meu lado, aproveitei os últimos dias para tentar colocar tudo em ordem, por isso o sumiço aqui temporário. Perdão!

Eu fiz o post sobre a sensação do primeiro ano de liberdade, mas não falei como foi exatamente o dia 29 de agosto. Pode parecer bizarro e sem sentido, mas passei aquele dia todo me sentindo a pessoa mais especial do mundo! Sabe quando a gente faz aniversário e embora seja um dia como todos os outros é também um dia completamente especial? Pois então, foi assim e foi lindo!

Recebi várias mensagens carinhosas de todo mundo que acompanha minha saga e todas me emocionaram por demais! Além disso meu marido fez uma linda surpresa, ganhei flores e um vale massagem em um lugar suuuuper bacana aqui em São Paulo que eu sempre fui louca pra conhecer. Depois que eu for lá usufruir meu presente eu faço um post contando tudo!

Apesar de 01 ano nessa luta, eu ainda não fiz uma super divulgação entre meus conhecidos, família e coisa e tal. Pasmem! É engraçado, como uma realidade paralela a qual nem todos tem acesso. Aliás, esse assunto renderia um post a parte, mas deixemos isso para uma próxima oportunidade.

Passado 01 ano de liberdade eu sinto como se tivesse vencido uma enorme e complicada barreira. Sei que a luta contra o vício é para sempre, mas é muito mais tranquilo lutar agora com força e com estabilidade! Continuo impressionada ao ver como a minha vida seguiu sem o cigarro. Eu nunca acreditei que eu poderia ser feliz sem ele e acho que para sempre vou ficar surpresa com essa nova realidade. A vida é sim muito melhor sem fumar! 💗

terça-feira, 29 de agosto de 2017

01 ano sem fumar!

01 ano!! Eu consegui!!! É festa, é festão!!!!

Um ano sem fumar, aqui estamos! Viva!

Ufa. Um ano inteirinho!!!!

O que dizer? Eu confesso que escrevi e reescrevi esse post várias vezes e achei extremamente difícil colocar a emoção desse dia em palavras. Não sei exatamente o que dizer, é muita emoção e alegria!

Eu olho para o 29 de agosto do ano passado e lembro do medo que eu sentia, da angústia, vontade constante de chorar e de todos os temores. Estranho como a dependência química é: o medo das doenças todas e de todo o mal que o cigarro faz nunca me deixou tão apavorada quanto a ideia de me ver sem fumar. Foi assim, nessa espécie de pânico, que foram os meus primeiros dias!

Também me recordo de como foi reaprender a fazer todas as atividades em uma nova condição: sem fumar. Para quem nunca passou por isso pode não fazer sentido, mas para um tabagista todas as atividades do dia são vinculadas ao cigarro. Aí a gente decide acabar com o vício e tem que se acostumar com todas as coisas, só que sem o cigarro. É uma vida nova e bizarramente: tudo igual, mas tudo diferente!

Foi um exercício constante de dizer "não". Não para o cigarro, para as fissuras, para todas as tentações que apareceram no caminho. Foram os "nãos" mais importantes da minha vida e seguirei usando essa pequenina palavra sempre que o risco de recaída tentar me ameaçar.

Agora o melhor de toda essa história, o principal objetivo e que é sim total verdade: A vida que eu ganhei não se compara com a anterior. Foram melhorias em TODOS os aspectos e eu não consigo pensar em uma única coisa que com o cigarro ainda era melhor. A pele melhora, o cabelo, condicionamento físico, humor, agilidade em fazer as coisas, pace da corrida (hehe)... eu que não vou abrir mão disso tudo! Ah, o doce sabor da liberdade!

Foi um ano difícil, intenso, que exigiu bastante da minha força de vontade e eu fico imensamente feliz de ter conseguido chegar até aqui! O dia 29 de agosto será para sempre um grande divisor de águas na minha vida, uma espécie de data de renascimento!

Agradeço imensamente a todos que me ajudaram a percorrer esse caminho! Seja através do blog, pessoalmente, por pensamentos positivos, torcidas... impossível chegar até aqui sem apoio algum, portanto o meu mais sincero: muito obrigada! De coração!

Hoje é dia de comemorar! Seja bem-vinda liberdade!  EU PAREI DE FUMAR e pela primeira vez vou me definir com uma palavra que estava entalada na garganta: eu sou uma EX-FUMANTE!

Vida que segue, vamos que vamos pessoal, agora muito mais livre, saudável e feliz! 

Feliz 01 ano de vida sem fumaça para mim! 🙌

OBS: e para completar a festa, uma grande amiga iniciou hoje a jornada sem fumar. Fiquei extremamente emocionada com a escolha da data! Força! Vai dar tudo certo, confie! O dia 29/08 é nosso! Simbooora!! 

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Do tabagismo à meia maratona em 11 meses!

Se há um ano alguém um dia me dissesse que eu correria uma meia maratona um dia eu não acreditaria. Primeiro porque nunca foi algo que na época eu tinha vontade. Segundo, porque como tabagista eu sabia que seria muito difícil conseguir isso. Da mesma forma, há um ano eu não imaginava que estaria livre da dependência pelo cigarro. No último final de semana as duas coisas aconteceram: a ex-fumante correu 21k!

Eu sempre achei meio piegas essa história da pessoa que parou de fumar e virou um super atleta, ou adotou um estilo de vida ultra saudável, ou as duas coisas ao mesmo tempo. Olhava para esses casos e achava bizarro, afinal de contas não precisa fazer o drama todo, não é porque prejudicou a saúde por muitos anos que agora tem que ser o Mr. Saúde. Sabem aquela história "Dessa água eu não beberei?", pois então... fiz até um drink com ela rsrsrs saúde!

Nunca diga que dessa água não beberei
"Dessa água não beberei" e depois...

Hoje eu sou exatamente essa ex-fumante que faz corridas e tenta se superar cada vez mais! Quando eu fumava eu já fazia corrida de rua, corria a marca dos 10k. Bem sofridos, admito, mas era algo que me deixava bastante feliz e orgulhosa. Eu sentia que teria muita dificuldade em aumentar a distância se continuasse fumante, além de começar a sentir que poderia ser perigoso para minha saúde fazer meu coração trabalhar nesse ritmo.

No ano passado, para piorar ainda mais a situação, eu já estava em um ponto do vício em que até para ir correr eu ia fumando. Acendia o cigarro até o local da prova, guardava tudo no guarda volumes e na volta pra casa fumava de novo e por aí ia. Nos treinos era a mesma coisa, eu literalmente só parava de fumar para correr. Não me orgulho disso, muito pelo contrário, isso me preocupava demais e estava me fazendo muito mal.

Quando parei de fumar a corrida foi uma grande aliada. Sentir a diferença entre correr como fumante e como ex-fumante foi algo de muito impacto para mim. Percebi que sem fumar essa atividade física ficou muito mais prazerosa e comecei a perceber a minha evolução. A corrida me mostrou claramente o quanto o cigarro me prejudicava em inúmeras maneiras e isso me estimulou o tempo todo a seguir em frente na luta contra o vício.

A ideia inicial era correr a São Silvestre para comemorar o fim do vício. Assim o fiz em dezembro do ano passado. Na mesma época percebi que em uma data muito próxima a do meu 1 ano sem fumar teria a Meia Maratona do Rio de Janeiro e pensei comigo "Por que não?". Na loucura me inscrevi e ao mesmo tempo que fiquei com medo do que me aguardava, senti a pressão do compromisso que tinha assumido e me entreguei aos treinos de um modo que nunca fiz antes.

Cada treino, cada melhoria no tempo, cada medalha, da corrida que fosse, foram nesse período como um abraço de recompensa pela minha luta pessoal. Nunca soube se esse tempo todo eu corrida de algo (medo de recaída!) ou em direção a alguma coisa (recordes!), acredito que um pouco dos dois. Assim o tempo foi passando. Compartilhei uma boa parte das corridas aqui no blog, quem acompanha deve ter visto.

Eis que o dia da meia maratona chegou. Foi anunciada a largada e lá fui eu pelo Rio de Janeiro a fora conquistar a minha primeira meia maratona. Pela primeira vez corri sem música, dessa vez fui eu e meus pensamentos e acho que de agora em diante correrei assim. Até nisso eu mudei ao longo desse ano. Curti cada segundo desse longo percurso: a torcida, a paisagem, todos os passos dessa conquista.

Na metade do caminho vi Cristo de braços abertos e não pude conter a emoção. Ele estava lá abençoando essa reta final da minha luta contra a dependência química. Cruzei a linha de chegada e fui tomada por uma alegria nunca antes sentida. Sensação de dever cumprido em todos os aspectos. Eu parei de fumar e me tornei meia maratonista!

Continuarei os meus treinos e pretendo correr mais algumas meia maratonas, adorei essa distância. Muitos amigos insistem para eu partir para o projeto Maratona... eu não sei se tenho coragem, mas aprendi a nunca mais dizer que dessa água não beberei! Vou deixar meu coração decidir o caminho que devo seguir. Uma coisa é certa: lembrarei para sempre toda a ajuda que esse esporte me deu na luta contra o vício, eu devo muito a ele por isso! Viva a corrida de rua!

Meia maratona entregue!

Eu só tenho a agradecer!


quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Mãe, 09 anos sem você!


Foi em um 16 de agosto que minha mãe faleceu... e lá se vão 09 anos desde então! Já falei aqui em outro post, ela teve câncer no pulmão e era tabagista, muito embora tivesse parado de fumar antes de saber do tumor. 

Há um intervalo de duas semans entre o dia de hoje e a minha data em que parei de fumar. Agora um pequeno segredo: eu ia parar de fumar no dia 16 de agosto do ano passado, o mesmo dia que marca o falecimento da minha mãe!

Estava decidida, não sabia como ia fazer, mas não ia conseguir passar por essa data mais um ano como tabagista. De jeito nenhum! Conforme a data se aproximou eu fui ficando cada vez mais assustada e quando o dia chegou eu fiquei com medo e desisti. Ao mesmo tempo eu passei o dia todo com peso na consciência. Todo ano eu ficava, mas no ano passado foi diferente, talvez por ter sido a primeira vez em que a vontade de parar de fumar realmente falou mais alto. 

Apesar de ter fugido da data, não desisti da ideia. Decidi me dar mais 15 dias para me organizar melhor, procurar um método que me ajudasse, conversar com minha médica, meu marido... e o resto da história... bom,esse blog conta com mais detalhes!

No fundo eu acho que foi melhor assim. Cada data uma história e uma memória. Além disso o meu atraso de 15 dias me fez parar de fumar no Dia Nacional de Combate ao Fumo. Eu fui descobrir isso só depois... certeza que tem um dedinho da minha mãe aí!

Hoje faz 09 anos em que eu vi minha mãe partir e sofri muito! Vi com meus próprios olhos o resultado de uma doença causada pelo cigarro e senti na pele a dor dos que ficam, dos familiares que olham uns para os outros com cara de perdidos e perdidos ficam por anos e anos e anos. Nunca entenderei como o meu vício conseguiu ser mais forte do que as cenas hororosas que vi da doença que minha mãe enfrentou.

Em uma das últimas conversas que tivemos ela me disse: "Filha, se tudo isso que eu passei servir para fazer uma única pessoa parar de fumar, já valeu a pena!" em uma referência direta (e chocante) a mim. Foi horroroso ouvir isso dela, acima de tudo no hospital. Nunca mais tivemos tempo de conversar a respeito... é incrível a velocidade de um tumor.

Então hoje em sua memória  levarei para frente os seus mesmos dizeres mãe, apenas em um outro contexto: Se esse blog servir para alguém conseguir parar de fumar, já valeu a pena ter me exposto assim e ter exposto a nossa história. Desafio lançado, agora é com vocês leitores!


Saudades para sempre mãe! 💕

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Sobre dormir e acordar descansada!



Foram muitas as mudanças que tive desde que parei de fumar e hoje vou falar um pouquinho do que senti com relação ao sono e disposição física. Já falei sobre isso em outro post, mas vou deixar registrado também como tem sido agora, 11 meses depois!

Já há algum tempo percebo que eu consigo dormir e realmente descansar. Aquele sono de repor as energias mesmo, sabe? Eu me lembro que nos tempos de tabagismo eu vivia cansada, sentia que passava o dia me arrastando e para piorar, quando chegava a noite eu deitava não conseguia dormir! Não bastando, eu acordava cansada e assim os dias e noites passavam em uma cadência horrorosa de cansaço e noites mal dormidas.

Sem fumar tudo isso foi mudando. No primeiro e segundo mês ficava um pouco desregulado, dormia até demais da conta. Depois parece que tudo entrou nos eixos. Consigo deitar na cama, esperar um pouco e dormir, o que pra mim tem sido uma novidade realmente muito agradável. Com isso acordo bem mais disposta, o que reflete também no meu humor matinal! Também passo o dia com muito mais energia do que antes, o que é muito novo para mim e é algo que tenho gostado muito!

Sempre tive dificuldade para acordar cedo e embora eu admita que ainda não seja a melhor pessoa para isso, depois que parei de fumar eu consigo levantar bem mais cedo do que eu tinha costume. Para o meu choque: muitas vezes por vontade própria!

Foram anos e anos levantando quase ao meio-dia nos finais de semana e ainda assim sentindo que eu poderia passar mais um tempão deitada, por cansaço mesmo. Acabava levantando por uma única preocupação: "se eu enrolar mais na cama a noite não consigo dormir". Quando eu finalmente levantava eu fazia o que? Fumava um (vários) cigarro (que até hoje admito que era o melhor do dia hehe) e me entupia de café, tentando estimular um corpo que mal havia descansado.

Atualmente o pensamento na hora de dormir é "vou acordar cedo e aproveitar o dia" e para o meu espanto faço isso feliz e de livre e espontânea vontade (estou p-a-s-s-a-d-a com a minha versão matinal!). Acordar com calma e me preparar para um novo dia com tranquilidade é algo muito bom. Percebo que como consequência eu tomo até bem menos café! Nem só pelo fato de não fumar, mas também porque meu corpo está carregado de energia, não preciso mais me estimular tanto!

Eu também sempre tive bruxismo, passava a noite rangendo os dentes e já inclusive trinquei um enquanto dormia, assim como quebrei alguns aparelhos de dente por conta disso. A minha versão smoke free me fez até dispensar o uso da placa que eu usava para não bater os dentes e nunca mais acordei com nenhuma dor relacionada a isso. Até disso tive liberdade!

Quando tomei a decisão de parar de fumar eu imaginava que teria inúmeras alterações em mim, mas são casos como esse que me fazem pensar no grau de influência em minha saúde que o cigarro tinha. Nem dormir mais me fazia bem e eu nunca tinha parado para pensar na relação entre as duas coisas! Chego a ficar assustada com essas constatações! Numa boa? Isso pra mim não era um jeito bom de se viver, principalmente agora que experiencio o outro lado da coisa.

Por essas e outras que eu prefiro a minha versão sem tabaco. Uma versão mais leve, mais tranquila e muito mais feliz! Fumar de novo aliviaria a minha abstinência, não tenho dúvidas, mas me traria de voltas noites mal dormidas, olheiras, cara de cansaço e um caminhão de coisas que eu nunca havia reparado que me matavam sim aos poucos! Eu não quero isso pra mim!

Viva a vida sem fumaça!
Até a próxima pessoal!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...